25 de outubro de 2011

vez ou outra penso que todas essas coisas ao redor das quais as pessoas costumam erguer suas vidas - filhos, religião, carreira, casamento... - são partes de uma mesma corrida angustiada por construir um sentido qualquer para a própria existência. e me pergunto se amar seria, afinal, apenas mais uma dessas formas de tentar existir para além de nós mesmos. 

e se for verdade, quer dizer que toda essa minha ansiedade, no fundo, é por puro pavor de aceitar que eu caibo (e acabo) em mim mesma?!



Nenhum comentário:

Postar um comentário