11 de abril de 2012

tenho revirado baús dos quais já nem me lembrava, na tentativa de compreender melhor como é possível me libertar desses velhos - falhos - hábitos de conceber a vida. ando tentando equacionar melhor os riscos de desejar uma vida com tão poucos riscos e percebi que, por mais que eu não queira apostar, já está tudo em jogo. há tempos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário