23 de abril de 2012

É por esperar demais? Ou porque no fundo talvez eu já não espere muito? Porque será que viver, de uma hora para a outra, me volta a doer e dar tanto trabalho assim? É muito feio admitir que, de vez em quando, existir tem me dado uma preguiça enorme?

Um comentário: