8 de maio de 2012


ela tinha medo. medo de que livrar-se dos sentimentos ruins pudesse deixá-la novamente exposta a um carinho sem guarida. foi por isso que mergulhou exageradamente nas mágoas que trazia no peito, a tentar sufocar de vez qualquer importância descabida que ainda insistisse em resistir a todo aquele tempo e distância. mas aquele revestimento de sensações truncadas não assentava-lhe bem. pesava-lhe a alma, corrompia memórias e povoava com pensamentos amargos aquilo que deveria ser sua porção mais doce.

foi quando a vida enfim pediu passagem, que ela entendeu a urgência em esvaziar aquele peito abarrotado de inutilidades e percebeu que os riscos já não eram mais os mesmos. nem ela. hoje anda por aí, ainda um pouco desorientada, tentando abrir novos caminhos e descobrir os passos para semear amanhãs mais leves.  


Nenhum comentário:

Postar um comentário