4 de maio de 2013

espaçados passos na estrada; não há de ser nada. nada mais que um coração fadado a caçar atalho pras lonjuras de um amor sem norte. segue essa marcha sem cura, paciente e segura, em resignada aceitação da lentidão da sorte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário