28 de julho de 2014

um dia eu reaprendo a caminhar com passos firmes. juro. ainda vou descer dessas pontas, fazer um baita barulho e aprender a existir sem economia de entrega. vou fazer pó dos pés atrás e tirar os fantasmas pra dançar. um a um. vai chegar o dia em que as janelas da minha casa. do meu peito. da minha vida. estarão abertas pras gentes que me importam. e se importam. um dia, prometo, ainda ponho essa manta da sozinhez pra tomar sol só pra assistir ela partir com o vento. e aprendo a aceitar as carícias da vida sem me contrair tanto. sem paralisar de medo. sem negar os ganhos por temer as perdas. vai chegar um dia em que todas essas velhas mágoas serão enfim deportadas e eu sairei da coxia para brincar no palco dos meus desafios diários. e começarei enfim um novo ciclo, como se então me sentisse pronta... ou compreendesse que isso pouco importa.

2 comentários:

  1. Que texto bonito, bom de leitura, fiquei arrepiado, senti-me tremendo o corpo. Vc escreve muito bem, merece um livro seu. Tudo de bom e uma ótima semana

    ResponderExcluir