4 de junho de 2012

o curioso é que eu não queria ele de volta. nem ele, nem outro alguém qualquer que pudesse ocupar aquele espaço enorme e sagrado que me sobrava, vazio, aqui por dentro. o que eu queria, bem lá no fundo, era desocupar de vez o peito inteiro e tirar tudo lá de dentro o quanto antes, para encontrar um novo canto que fizesse eco à minha própria voz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário